Um estudo global da Deloitte sob o tema “Qual é o futuro do trabalho?” fornece uma visão geral a respeito das transformações que impulsionam a evolução das funções, força e local de trabalho, também oferece perspectivas sobre como as organizações devem começar a responder aos novos desafios.

Segundo a pesquisa, a expectativa é que os empregos do futuro sejam movidos por tecnologias e fundamentados em dados, exigindo habilidades humanas em áreas como resolução de disfunções, comunicação, escuta e interpretação. À medida que as máquinas assumem tarefas mecânicas e o trabalho das pessoas se torna mais analítico, técnicas de design thinking podem ajudar as organizações a definir novos tipos de capacidades e habilidades em atividades que têm um viés mais disruptivo.

Não à toa que a Michael Page, um dos maiores players mundiais em recrutamento especializado, também ressalta a transformação do mercado de trabalho em seu estudo. Confira:

  • Mais concorrência profissional

As empresas irão selecionar o candidato mais atrativo para a vaga em questão, sem se importarem com gênero, idade ou com o lugar onde este profissional vive – mesmo que seja a quilômetros do escritório;

  • Adeus trabalho de uma vida inteira

Os profissionais serão, cada vez mais, internacionais e buscados para trabalharem em projetos específicos. Portanto, a troca de emprego será algo mais do que normal, será preciso;

  • Maior estudos

Para serem bem remuneradas, as pessoas terão que estudar mais e mais. Graduações e MBAs não serão diferenciais. Cursos pontuais e reciclagens ditarão o futuro educacional.

Você conhece a 4ª Revolução Industrial? Seja bem-vindo!

  • Escritório onde você quiser

No parque, no café, em casa, em um coworking… Trabalhar de qualquer lugar fora do escritório será mais do que permitido, será uma ação encorajada. Networking, novos negócios e bem-estar para o profissional são somente alguns dos benefícios com a prática;

  • Mudanças de horários

Mais flexibilidade e maior preocupação com o bem-estar do funcionário entrarão para os temas de fiscalização de órgãos governamentais.

  • Desenvolvimento tecnológico

A demanda e procura por profissionais qualificados para lidar com novas tecnologias passará a aumentar de maneira considerável. Mecanismos (e colaboradores) que permitam maior produtividade e mudanças nas relações de trabalho como conhecemos atualmente serão muito, mas muito valorizados!

  • Globalização econômica

Faz tempo que ouvimos sobre a globalização, não é mesmo? A geografia não é mais um limite e, devido aos avances tecnológicos e logísticos, o comércio exterior estará ainda mais interligado. Novas rotas comerciais, maneiras de entrega, gestão de pedidos, e-commerce… Um mundo a parte será criado para dar conta de tanta inovação;

  • Novas profissões

Irão surgir novas tarefas para profissões que ainda estão por vir. Curioso, não? Fruto da evolução científica e tecnológica, cerca de 70% das crianças de hoje em dia trabalharão em profissões que ainda não existem concretamente.

É por essas e outras que eu sempre falo com vocês sobre a importância de se manter atualizado constantemente. Sabe aquele famoso conceito “Lifelong Learning” que eu bato na tecla sempre?

Então, é sobre isso. O aprendizado não tem hora e nem data para terminar.

Você vai precisar adotar uma postura aberta ao conhecimento daqui para frente. Isso porque o dinamismo do mundo contemporâneo não permite mais que os acomodados dividam espaços com os inquietos: ou você se adapta ao novo ou vai ficar para trás.

Receba nossas dicas