Com 1024 pessoas por grupo, criação de comunidades é mais um recurso de Marketing e no relacionamento entre marcas e clientes; entenda como aderir para o seu negócio,

Previsto para o mercado brasileiro já em 2023, o WhatsApp Comunidades será o mais novo aliado na estratégia de Marketing de empresas dos mais diversos nichos. O novo recurso do aplicativo permitirá a criação de grupos com até 1024 pessoas e trará a possibilidade  de criar “sub-grupos” dentro da mesma temática, inúmeras empresas podem criar estratégias de conteúdos exclusivos, promoções e descontos para clientes, a fim de fidelizar consumidores, ser um canal de fácil acesso para comunicar novidades, além de ser um recurso rápido e prático para tirar dúvidas, por exemplo,

Para Gabriel Rockenbach, CMO do Greenn, startup de produtos digitais, a chegada das novas funcionalidades promete aumentar ainda mais o nível de estratégias com o WhatsApp. Ele aponta que, com o movimento de ter mais pessoas em menos grupos, os produtores digitais que utilizam a ferramenta para disparo de avisos, compartilhamento de conteúdo, além de outras estratégias, conseguirão mais agilidade para trabalhar a comunicação no aplicativo. Dessa forma, unir e organizar pessoas dentro do mesmo foco, sem dúvida, ficará mais dinâmico.

Com mais de dois bilhões de usuários ativos em 180 países do mundo, o aplicativo é um dos preferidos pelos brasileiros. De acordo com uma pesquisa da Infobip (Plataforma Global de Comunicação para Empresas), 99% das pessoas que possuem smartphone no país têm o WhatsApp instalado e 80% dos entrevistados usam o aplicativo para se comunicar com marcas. Para as grandes empresas, a tendência é de que as ferramentas já utilizadas para o contato com os clientes cresçam ainda mais. Esse movimento deve impactar em peças de marketing, anúncios e promoções exclusivas realizadas por meio do WhatsApp, alcançando mais pessoas em quantidades menores de grupos.

À frente da liderança do Greenn e baseado nas experiências que os infoprodutores vivem em suas comunidades, Gabriel acredita que o WhatsApp Comunidades vai levar a experiência de clientes para outro nível, podendo facilitar os processos dos criadores digitais, como:

1 – Organização de alunos que compraram e-books, separando-os por categoria, recorrência de compra, entre outras informações;
2 – Alunos de mentorias, que são ou não recorrentes, mas que possuem outro tipo de interesse pelos conteúdos do infoprodutor;
3 – Alunos de consultoria de curto ou médio prazo, que já possuem um acompanhamento diferenciado para os seus negócios;
4 – Clientes exclusivos, que são aqueles fidelizados e de longa data, conhecidos como os “defensores de marca”, que podem se beneficiar de descontos exclusivos, políticas customizadas de indicações, cupons de descontos;
5 – Compartilhamento de aulas, vídeos e arquivos para uma turma de alunos;
6 – Pesquisas frequentes de satisfação de clientes etc.

Considerando que o WhatsApp é a preferência do brasileiro, Gabriel acredito ainda que o infoprodutor pode migrar grupos de outros locais para concentrar tudo em uma única plataforma. Então, grupos do Linkedin, Facebook e, quem sabe, até do Telegram, podem sofrer uma migração para o WhatsApp Comunidades. Para isso, o executivo da Greenn indica que o trabalho deve ser feito com cautela para não comprometer o público que já é fiel a um canal.

Mais do que ser apenas um SAC 3.0, o WhatsApp Comunidades chega com potencial de agir como intermediador direto e agente de transformação na relação entre fornecedores e clientes. Como dica, Gabriel afirma que as empresas devem acompanhar este movimento para não ficarem defasadas, já que o mundo caminha cada vez mais para o digital e a comunicação instantânea.

Receba nossas dicas